Liberação de drone no Brasil

A regulamentação dos drones no Brasil vinha sendo discutida desde 2014; demorou, mas finalmente saiu! No Brasil, mesmo antes das regras definidas, mais de 700 empresas já operam no setor dos robôs voadores. A expectativa é que o setor cresça já 30% até o final deste ano e dobre de tamanho nos próximos dois anos.

A regulamentação era muito esperada e até bastante cobrada pelo mercado. A incerteza causada pela falta de regras impedia grandes investimentos no setor. Agora com normas que garantem segurança jurídica e operacional, a história é outra.

Apesar da felicidade do mercado, nem todas regras agradaram gregos e troianos. Em eventos como manifestações, shows, eventos esportivos e aglomerações, por exemplo, apenas órgãos de segurança poderão operar drones. Equipamentos com mais de 25 quilos exigirão habilitação dos pilotos cedida pela Agência Nacional de Aviação Civil. Quanto maior o peso, maior a exigência para pilotar. Drones com mais de 250 gramas também precisarão ser registrados na Anac. E para pilotar um drone legalmente, só a partir dos 18 anos. Ah, drones autônomos estão totalmente proibidos de voar no país... 

Enquanto a Anac define regras para as aeronaves, pilotos e aeródromos, é o DECEA que controla o acesso ao espaço aéreo brasileiro. A regulamentação dos drones só saiu do papel em comum acordo das duas instituições. E se há exigências para pilotos e drones, também existem normas para os locais determinados para voar.

Como toda regra, quem não se adequar estará sujeiro a processos administrativos, cíveis e penais. A fiscalização das operações será feita pela Anac junto com órgãos de segurança pública.

Em São Paulo, mesmo antes da regulamentação, a prefeitura já havia apresentado uma esquadria de drones que será utilizada pela Guarda Civil Metropolitana em operações específicas de vigilância na cidade. Agora, tudo fica mais seguro: para quem voa e para quem é sobrevoado.

link: http://m.olhardigital.com.br/video/drones-liberados-no-brasil-saiba-o-que-muda-para-o-mercado/68421

Apple lança seu iPad mais barato no Brasil; conheça preço e configurações

A Apple começou a vender no Brasil seus novos tablets. Trata-se de um novo iPad, o sucessor do iPad Air 2, dessa vez com tela Retina de 9,7 polegadas (a mesma do iPad Pro), só que mais barato: a partir de R$ 2.499. A empresa diz que esse é o iPad mais barato já lançado.

Como comparação, o iPad Pro, que tem o mesmo tamanho, custa a partir de R$ 4.999. A diferença entre os dois é que o modelo mais caro vem com suporte à caneta stylus e ao teclado retrátil da Apple.

Além disso, o iPad Pro usa o processador mais rápido da empresa, o A9X, enquanto a nova versão do iPad continua com o A9, lançado em 2015. O tablet lançado nesta segunda-feira, 22, vem em três cores: prateado, dourado e "cinza-espacial".

 

A versão de R$ 2.499 vem com 32 GB de armazenamento interno e suporte apenas a conexões Wi-Fi. Quem também quiser direito à rede móvel deve pagar R$ 3.199. Já a versão de 128 GB pode ser comprada por R$ 2.999 (só Wi-Fi) ou R$ 3.699 (Wi-Fi e rede móvel).

O produto foi anunciado em março deste ano e até mesmo já era listado no site da Apple no Brasil, mas estava indisponível para compra até agora. Nos EUA, o aparelho é comercializado por valores a partir de US$ 330.

link: https://olhardigital.uol.com.br/noticia/apple-lanca-seu-ipad-mais-barato-no-brasil-conheca-preco-e-configuracoes/68464

Google lançará versões do Android otimizadas para celulares mais lentos

De acordo com a empresa, o Android O, a próxima versão do sistema operacional da empresa, será a primeira a ter uma configuração Go. Cada nova versão do sistema após essa também terá uma configuração Go. Ela terá pequenas diferenças de funcionamento e de interface voltadas para os usuários desses aparelhos. O kernel do sistema e a interface de usuário do sistema, por exemplo, ocuparão no máximo 512 MB de RAM.  

Por exemplo: como aparelhos mais simples em geral têm capacidades mais limitadas de conectividade, os dispositivos com Android Go terão mais destaque para o gerenciamento de dados móveis em seus menus. O menu acima da barra de notificações do Android, por exemplo, mostrará quantos MB de dados o usuário ainda tem, e poderá oferecer um link para que o usuário recarregue seus créditos. Nesses aparelhos, o Google Chrome também virá com o economizador de dados ativado por padrão.

Os aparelhos com Android Go também terão versões otimizadas dos aplicativos padrões do Android. Por exemplo, eles virão com o Youtube Go, uma versão da rede social de vídeos que permite baixar vídeos para assistir offline, e a Play Store Go, uma versão da loja de aplicativos do Google com uma seleção de apps otimizados para dispositivos mais lentos. 

Uma das partes mais interessantes dessa notícia é que o Brasil provavelmente é um mercado de foco para esse projeto do Google. Um dos exemplos que a empresa deu para mostrar como o economizador de dados funciona trazia uma notícia do Globo Esporte, o que sugere que os brasileiros podem esperar por essas versões do sistema. 

link:https://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/google-lancara-versoes-do-android-otimizadas-para-celulares-mais-lentos/68356

Entenda como a pirataria ajudou o WannaCry a se espalhar pelo mundo

Na sexta-feira passada, 12, o mundo inteiro foi atingido pelo ataque WannaCry, que criptografava os dados de computadores e só os liberava mediante pagamento. Ao todo, mais de 200 mil máquinas em mais de 150 países foram afetadas - e um dos motivos para essa propagação massiva foi a pirataria.

Isso é o que sugere a empresa de segurança digital F-Secure, que divulgou no fim de semana uma série de dados sobre o ciberataque. De acordo com a empresa, os dois países mais afetados pelo WannaCry - China e Rússia - também são dois dos países que mais utilizam versões piratas do Windows. Segundo o New York Times, estudos realizados pela Software Alliance em 2016 apontaram que 70% dos computadores chineses usam software não-licenciado; na Rússia, esse número é de 64%.

A grande questão é que as versões piratas do Windows não podem instalar as atualizações de segurança que a Microsoft disponibiliza - ou pelo menos não com a mesma agilidade. E o caso do WannaCry mostrou a diferença que isso pode fazer.

O WannaCry explorava uma falha de segurança descoberta (mas não revelada) pela NSA, agência de segurança dos EUA. Quando a NSA foi hackeada pelos Shadow Brokers, em abril, a informação sobre essa falha se espalhou, o que possibilitou o ataque. A Microsoft, sabendo da situação, lançou uma atualização de segurança para todas as versões do Windows que tinham a falha.

Mas os PCs com versões piratas do Windows não receberam a atualização. Seus usuários até poderiam tê-la instalado manualmente, mas naturalmente a chance de alguém fazer isso é muito menor. Por isso, quando o ataque se disseminou, muitos computadores ainda não tinham instalado a atualização que lhes daria proteção contra ele. O resultado foi o imenso estrago causado pelo WannaCry.

E no Brasil?

Uma lista preliminar de países afetados pelo WannaCry publicada na sexta-feira mostrava o Brasil em 13º lugar dentre os países mais atingidos. A empresa espanhola Telefônica, que opera no Brasil como Vivo, também foi afetada por aqui, e leitores do Olhar Digital relataram que não conseguiram trabalhar por causa da falha de segurança.

Também faz sentido, aqui, a correlação com a pirataria. Segundo um estudo do ano passado da Software Alliance, 47% das máquinas daqui usam software não-licenciado. Embora a porcentagem seja alta, a organização considerou, no estudo, que o resultado foi positivo, já que mostrou uma redução de 3% com relação aos anos anteriores.

Esse caso serve, portanto, como um aviso às instituições e empresas que ainda usam versões não-licenciadas do Windows: adotar a versão oficial do sistema tem vantagens importantíssimas. Por outro lado, também mostra um aspecto bem cruel do ataque: ele afeta de maneira desproporcional pessoas que não têm condição de pagar por uma licença do sistema operacional.

Como já mencionamos, a própria Microsoft tem uma boa dose de responsabilidade pelo ataque ter assumido a proporção que assumiu. Diante disso, seria interessante ver a Microsoft se posicionar com relação a essa situação oferecendo o Windows a preços mais acessíveis para essas pessoas.

link: https://olhardigital.uol.com.br/noticia/entenda-como-a-pirataria-ajudou-o-wannacry-a-se-espalhar-pelo-mundo/68306

Suas mensagens demoram para serem enviadas no WhatsApp? Veja o que fazer

Diversos leitores enviaram mensagens ao Olhar Digital perguntando o que fazer quando suas mensagens do WhatsApp demoram para serem enviadas para os contatos. Antes de tudo, é preciso dizer que esse problema pode estar ocorrendo por diferentes razões e cada uma delas exige uma solução diferente. A gente listou algumas delas abaixo:

Sem conexão

O problema está ocorrendo somente no WhatsApp ou também afeta outros aplicativos de mensagens, como o Messenger? Se sim, tente se conectar em outra rede Wi-Fi ou verifique se o problema também ocorre quando você está conectado pelas redes móveis.

Certifique-se também que o seu plano de internet móvel dá acesso ao WhatsApp. Algumas operadoras, após o consumo da franquia, liberam o acesso somente para alguns aplicativos e nem sempre o WhatsApp está na lista.

Dados em segundo plano

Outro fator que pode estar atrapalhando o envio de suas mensagens é a restrição do uso de dados em segundo plano. A opção ajuda a economizar dados móveis, mas pode causar conflitos no WhatsApp.

Para desativá-la, vá nas configurações do telefone, clique em “Aplicativos” e busque pelo WhatsApp. Depois, clique “Uso de dados” e, por fim, configure para que o telefone faça uso de dados em segundo plano. Repita o procedimento também para o aplicativo Google Play Services.

Reprodução

Problemas do WhatsApp

Nesse caso, não há muito o que possa ser feito e o jeito é esperar que o aplicativo volte a funcionar de forma adequada. Para verificar se esse é o problema, vá em “Configurações”, depois em “Ajuda” e clique em “Status do sistema”.

Reprodução

Wi-Fi sempre ligado

Uma configuração em dispositivos Android permite que o Wi-Fi seja desconectado quando o smartphone não está sendo utilizado. Essa ferramenta pode fazer com que as mensagens do WhatsApp fiquem presas no seu celular. Vá em “Configurações”, “Wi-Fi” e configure corretamente o recurso.

Reprodução

Economia de bateria

Alguns smartphones possuem modos de economia de bateria que acabam prejudicando o acesso de aplicativos à internet. Se você está com o modo de economia ativado, teste o problema com recurso desativado.

Hangouts 

Tente se desconectar de todas as suas contas do Hangouts e veja se o problema é corrigido. Basta fazer o logout e depois o login novamente.

Aplicativos gerenciadores de tarefas

O uso de alguns aplicativos gerenciadores de tarefas para tentar deixar o telefone mais rápido pode fazer com que o WhatsApp não desempenhe bem suas tarefas. Tente desinstalar esses aplicativos para ver se o problema foi resolvido.

link: https://olhardigital.uol.com.br/dicas_e_tutoriais/noticia/suas-mensagens-demoram-para-serem-enviadas-no-whatsapp-veja-o-que-fazer/68055

Veja como testar e melhorar a velocidade da sua internet

Velocidade
Você pode medir a velocidade da sua internet pelo site Brasil Banda Larga. Assim que você entra no site já aparece a página de teste e você só precisa clicar em “Iniciar”; ele vai medir as velocidades de download e upload, que são a capacidade de baixar e enviar dados.

Você também consegue ver a latência da conexão, que é o tempo que uma informação leva para chegar ao servidor e voltar para o seu computador. Esse número é medido em milissegundos e quanto mais baixo for, melhor está a sua conexão.

Reprodução

Soluções
Agora que você já tem essas informações de velocidade, fica mais fácil tentar descobrir o que está deixando a internet lenta.

  1. Empresa
    Olhe o seu contrato com a distribuidora de internet e veja se está próximo da quantia contratada. Caso esteja muito baixo, entre em contato para que eles possam consertar. 
  2. Navegador
    Para seu navegador mais rápido, lembra? É só você fechar abas e programas que estão rodando em segundo plano e desativar as extensões instaladas no navegador para ajudar a melhorar a velocidade da internet.
    Você também pode aproveitar para limpar o histórico de navegação, cookies e arquivos temporários.
  3. Antivírus
    Instale um antivírus no seu computador e mantenha atualizado. Alguns vírus usam a internet para enviar e-mails e spam e isso acaba reduzindo a velocidade.

link: https://olhardigital.uol.com.br/lu-explica/noticia/veja-como-testar-e-melhorar-a-velocidade-da-sua-internet/67824

Como usar o Google Maps para saber se você vai pegar trânsito

O aplicativo de mapas do Google tem como principal função indicar trajetos e estipular quanto tempo o usuário deve demorar para chegar. Mas não é só isso que o serviço é capaz de fazer. Existem recursos que permitem visualizar, por satélite, a região, navegar com o Street View como se estivesse caminhando a pé pelo local e até saber como anda o trânsito. Esse último recurso pode ser bastante útil para quem quer saber como está o caminho de volta para casa. Veja como ativá-lo, já que ele fica desligado por padrão.

  • No computador

Abra o site do Google Maps e clique no ícone de menu, localizado à esquerda da tela, ao lado do campo de pesquisas. Lá, clique em "Trânsito".

Reprodução

Você verá uma tela parecida com essa:

Reprodução

Ao traçar uma rota, o Maps vai mostrar se há congestionamento e até quanto tempo se deve levar em cada um dos caminhos sugeridos.

Reprodução

  • No smartphone

Para ativar o recurso "Trânsito" no Google Maps no celular, o processo é semelhante. Depois de abrir o aplicativo, clique no ícone do menu e selecione a opção "Trânsito".

Reprodução

Você verá como andam as vias próximas e, caso coloque um endereço, visualizará a rota mais rápida.

Reprodução   Reprodução

link:  https://olhardigital.uol.com.br/dicas_e_tutoriais/noticia/como-usar-o-google-maps-para-saber-se-voce-vai-pegar-transito/67278

Saiba como deixar suas contas de e-mail e redes sociais mais seguras

É muito importante manter suas informações protegidas na internet, certo? E para isso, nunca é demais se manter seguro. Hoje eu vou ensinar como ativar a verificação em duas etapas, uma camada extra de segurança, no Facebook, WhatsApp e no Gmail.

Quando você fizer login ou tentar usar os aplicativos, além da senha, vai precisar colocar um código que é enviado para o seu celular por mensagem de texto ou por ligação. Quer saber como ativar essa proteção? Eu explico!

No WhatsApp

Abra o aplicativo no seu celular e clique no ícone de três pontinhos, que fica do lado direito da tela. Depois, clique em "Configurações".

Reprodução

Depois, clique em "Conta" e na opção "Verificação em duas etapas". Agora você precisa criar uma senha de seis dígitos e inserir o endereço de e-mail que usa com mais frequência.

Reprodução
 

Pronto! Agora, quando alguém quiser ler suas conversas ou enviar uma mensagem, vai ter que digitar a senha.

Facebook

Para ligar a verificação em duas etapas no Facebook, vá até “Configurações” e clique em “Segurança”:

Vá até “Aprovações de login” e clique em “Editar”. Você pode escolher entre três opções: mensagem de texto, chave de segurança ou gerador de códigos. A primeira delas envia uma mensagem para o seu celular quando você tentar se conectar. A segunda usa um pendrive e a terceira gera códigos que você pode usar, caso não esteja com o celular nas mãos.

Reprodução

Clicando em “Mensagem de texto”, você precisa colocar o número do seu celular.  Depois, você precisa confirmar seu número com o código que o Facebook enviar, tá?


Reprodução
 
Gmail

Nas configurações da sua conta, clique em “Login e segurança”:

Reprodução

Desça a janela e vá até a seção "Como fazer login no Google". Lá, clique em "Verificação em duas etapas".


Reprodução
 
Clique em "Primeiros passos". Para começar a configurar, digite o seu número de telefone e escolha a opção que você deseja receber o código de acesso. Não se esqueça de colocar o código DDD!
Reprodução

Google anuncia YouTube TV, serviço que funciona nos moldes da TV a cabo

 

Na última terça-feira, 28, o Google anunciou o que talvez seja seu investimento mais ousado no setor televisivo. A empresa está lançando o YouTube TV, que é um serviço baseado nos moldes da TV a cabo, mas "pensado para a geração YouTube".

O produto dará acesso a mais de 40 canais tradicionais, como ABC, FOX, ESPN, Disney Channel, FX, National Geographic, entre outros, e também a todo o conteúdo do YouTube Red, versão paga do site de vídeos que conta com programação original de séries e filmes.

 

Tudo isso estará disponível para consumo em qualquer tela. Serão lançados aplicativos para smartphones, tablets e computadores — e, obviamente, o material poderá ser transmitido também na TV.

Além isso, o YouTube TV contará com um serviço de armazenamento ilimitado, assim, se não puder assistir ao seu programa favorito ao vivo, o assinante terá a oportunidade de gravá-lo para ver mais tarde. Cada item permanecerá na nuvem por nove meses, então não há pressa.

O Google disse que o produto será lançado "em breve", mas apenas nos principais mercados dos Estados Unidos. Mesmo quando fala sobre expansão, a empresa menciona somente a sua terra natal, deixando claro que ainda está cedo para falar sobre lançamento global.

A assinatura custará US$ 35 (o equivalente a R$ 109) e dará acesso a seis perfis — cada um com suas próprias configurações e todos com direito a usar a nuvem para gravações ilimitadamente. Além de ter uma mensalidade equivalente a metade do que custa um pacote tradicional de TV por assinatura, o YouTube TV também é flexível, o que significa que a pessoa pode cancelar o serviço a qualquer momento sem correr o risco de ser multada.

link: https://olhardigital.uol.com.br/noticia/google-anuncia-youtube-tv-servico-que-funciona-nos-moldes-da-tv-a-cabo/66475

6 repetidores de sinal que podem resolver o problema de Wi-Fi da sua casa

Ter uma casa grande é excelente; não conseguir usar o Wi-Fi no banheiro porque o sinal não chega até lá, nem tanto. Se você mora em um lugar muito espaçoso - ou mesmo se o seu roteador não tiver um alcance muito grande - é bem provável que o sinal de rede sem fio não chegue a todos os cantos da sua casa. Nesse caso, um repetidor de sinal é a solução ideal.

Coloque o repetidor em uma tomada num local da sua casa onde o sinal de Wi-Fi chega muito fraco, configure-o e pronto! Ele passará a "repetir" o sinal do seu roteador. É como ter dois roteadores na sua casa, embora apenas um deles precise estar conectado diretamente à infraestrutura de rede. Por esse motivo, eles são muito convenientes.

Abaixo, listamos seis repetidores ideais para ampliar o alcance de sua rede doméstica. Desde soluções mais simples e baratas até aparelhos mais sofisticados e caros, um desses dispositivos deve ser suficiente para resolver o problema de conectividade da sua casa. Confira: 

1. Repetidor sem nome

Reprodução

Se você precisa de algo barato para resolver com urgência o problema de internet da sua casa, esse curioso repetidor sem marca ou nome dá conta do recado. Ele é compatível com redes de até 300 Mbps de 2,4 GHz e consegue ampliar de maneira confiável o sinal de Wi-Fi em uma região, embora precise ser configurado pelo computador em um processo não muito intuitivo. Seu grande atrativo, no entanto, é o preço: ele pode ser encontrado por valores próximos de R$ 40 em diversas lojas virtuais. Como todo produto sem marca ou nome, porém, é necessário tomar cuidado. 

2. Multilaser RE051

Reprodução

Caso o repetidor acima tenha te interessado, mas você prefira investir em algo com uma marca por trás, há essa solução da Multilaser também. Assim como sua versão "sem nome", ele é compatível com redes de até 300 Mbps e 2,4 GHz, conecta-se a qualquer tomada e precisa ser configurado pelo computador. A marca, por outro lado, torna-o um pouco mais caro: ele é vendido por valores próximos de R$ 70 nas lojas da internet. 

3. TL-WA850RE, TP-Link

Reprodução

A TP-Link também tem um repetidor simples para necessidades domésticas de expansão de Wi-Fi. O TL-WA850RE se conecta em qualquer tomada e, por ter tecnologia WPS, pode ser pareado com o roteador por meio de um simples aperto de botão para levar a Netflix a outras partes da casa. Se você quiser, também pode usar um cabo de rede para levar a internet que ele transmite para um aparelho como console de videogame ou SmartTV. Ele custa cerca de R$ 100 em lojas virtuais.

4. DAP-1320, D-Link

Reprodução

O repetidor simples da D-Link também é bom em resolver problemas de Wi-Fi de casas e apartamentos por um preço relativamente baixo. Ele suporta conexões de até 300 Mbps, também se conecta a qualquer tomada e pode ser pareado com o roteador por meio de um botão graças à tecnologia WPS. Na internet, ele pode ser achado por cerca de R$ 100.

5. TL-WA855RE, TP-Link

Reprodução

Uma alternativa que você pode usar caso o sinal de Wi-Fi esteja muito ruim em algum ponto da sua casa é o TL-WA855RE, da TP-Link. Como pode-se ver pela imagem, ele tem duas antenas que, segundo a empresa, ajudam a melhorar a recepção de sinal, estabilizar as conexões e oferecer até 300 Mbps mesmo em situações em que o sinal chega muito fraco. Ele pode ser configurado por meio de um aplicativo de smartphone e é possível programar um horário para que se ligue e desligue (para economizar energia). Ele pode ser encontrado por cerca de R$ 140 em lojas virtuais.

6. DAP 1520, D-Link

Reprodução

Para soluções mais drásticas, no entanto, o DAP-1520, da D-Link, pode ser mais adequado. Ele tem capacidade para transmitir até 750 Mbps em conexões, e pode ser configurado por meio de aplicativo. Diferentemente dos demais, ele é compatível com redes tanto na frequência 2,4 GHz quanto 5 GHz, e também é compatível com o padrão de redes sem fio "ac" (o que só fará diferença, porém, se o seu roteador também for), que são mais modernas e costumam apresentar rapidez e estabilidade. Para configurá-lo, também é possível usar um aplicativo de celular. Ele custa cerca de R$ 180 em lojas virtuais.

link: https://olhardigital.uol.com.br/noticia/6-repetidores-de-sinal-que-podem-resolver-o-problema-de-wi-fi-da-sua-casa/66134

Ok, Google: conheça comandos de voz para usar com o Google no celular

Isso é graças ao Google Now, o assistente pessoal do Google que é integrado ao buscador. Ele consegue analisar dados do aparelho, das suas contas do Google e da sua região para dar respostas e sugestões ao comando da sua voz. E ele é capaz de fazer algumas coisas bem surpreendentes. 

Para ativá-lo, basta dizer "Ok, Google". Se isso não funcionar, abra o aplicativo do Google e aperte o botão de microfone do lado direito da barra de busca. Com isso, o aplicativo começará a te ouvir. Em seguida, diga a ele o comando que você quiser, e ele o realizará.

Abaixo, listamos 58 comandos de voz que funcionam com o Google Now. Quando um termo estiver entre colchetes [assim], ele deve ser substituído por algo dessa categoria. Comandos menos claros são esclarecidos com exemplos em seguida. Assim que você perder a vergonha de falar com seu celular, verá que às vezes é muito mais fácil pedir que ele faça algo para você do que fazê-lo você mesmo. Confira:

Ações:

"abra [aplicativo]"

"entre no site [nome do site]"

"ligue para [nome do contato]"

"envie uma mensagem para [contato]" (você também pode falar: "Envie uma mensagem pelo [aplicativo] para [contato]". Por exemplo: "Envie uma mensagem pelo WhatsApp para o Marcelo")

"Mande um e-mail para [contato]" (por padrão, o Google usa o Gmail)

"Marque um alarme para [horário]"

"Marque um timer para daqui a [tempo]"

"Me lembre de [fazer algo] [em algum horário] [em algum lugar]" (por exemplo: "Me lembre de ligar para o Marcelo amanhã às 10 da manhã", ou: "Me lembre de comprar manteiga quando eu estiver no supermercado". No primeiro caso, o lembrete fica vinculado ao horário; no segundo, à sua localização)

"Me mostre fotos de [local ou objeto ou pessoa]" (por exemplo: "Me mostre fotos da Kim Kardashian"; "me mostre fotos de Berlim"; "me mostre fotos de melancias quadradas")

Busca:

"[palavras chave]" (diga uma sequência de palavras e o Google pesquisará aquilo)

"Quando é/foi/vai ser [evento]?" (por exemplo: "Quando é o próximo jogo do Corinthians?" ou: "Quando foi a Segunda Guerra Mundial?" ou: "Quando vai ser a Páscoa?")

"O que significa [palavra]?" (o Google lerá para você a definição daquela palavra)

"De onde vem a palavra [palavra]?" (o Google lerá para você a melhor explicação que ele encontrar)

"O que significa [sigla]?" (por exemplo: "O que significa PMDB?")

"Como vai ser o tempo amanhã?" (frases parecidas, como "eu vou precisar de um guarda-chuva amanhã?", também funcionam)

"Qual o preço das ações da [empresa]?"

"Quanto está valendo o/a [moeda]?" (por exemplo: "Quanto está valendo o dólar?" ou "quanto está valendo a libra?")

"[cálculos matemáticos]?" (por exemplo: "Quanto é 15 vezes 3?", "quanto é 762.634 dividido por 734?", "quanto é 666 elevado ao cubo?", "qual é a raiz quadrada de 7?", "quanto é 11% de 11?")

"Quem é [pessoa famosa]? (por exemplo: "Quem é Barack Obama?", "quem é Lady Gaga?", "quem é Aaron Turner?", "quem é Mano Brown?", ou ainda: "Quem é a irmã da Kim Kardashian?", "quem é o pai do Luke Skywalker?")

"Quem fez [ação]?" (por exemplo: "Quem escreveu 'Dom Casmurro'?", "quem pintou o quadro 'Guernica'?", "quem inventou o avião?", "quem fundou a Anistia Internacional?", "quem dirigiu o filme 'A Criada'?", "quem projetou Brasília?")

"Qual é a idade de [pessoa famosa]?"

"Quantos anos tem [monumento]?"

"Qual é a altura de [pessoa famosa]?"

"Qual é a altura de [prédio/monumento famoso]?"

"Como faz [receita]?" (por exemplo: "Como faz caipirinha?" ou: "Como faz feijoada?")

"Que som faz um [animal]?" (por exemplo: "Que som faz um gato?")

Navegação:

"Me mostre o caminho para [endereço]" (se tiver definido anteriormente o endereço da sua casa, por exemplo, você também pode simplesmente falar: "Me mostre o caminho para casa")

"Me mostre o mapa de [cidade, bairro ou região]"

"Onde fica o [serviço] mais próximo?" (por exemplo: "Onde fica a pizzaria mais perto daqui?" ou: "Onde fica o supermercado mais próximo de onde eu estou?")

"Onde fica o [lugar específico]?" (por exemplo: "Onde fica o estádio do Pacaembu?" ou: "Onde fica o mercado da Lapa?")

"Como eu faço para chegar em [lugar] de [meio de transporte]?" (por exemplo: "Como eu faço para chegar no Maracanã de ônibus?" ou: "Como eu faço para ir de bicicleta até o Flamengo?" ou: "Como eu vou de metrô até Copacabana?")

"A que distância fica [cidade, bairro, região ou lugar]?"

"Me mostre as atrações próximas daqui" (o Google mostrará lugares interessantes num raio de 5 quilômetros de onde você está)

Entretenimento:

"Contra quem o [time] vai jogar em seguida?" (mostra qual será o próximo jogo do time)

"Quanto foi o último jogo do [time]?"

"[nome de time ou de um jogador]" (isso fará com que o Google mostre informações básicas sobre um time ou jogador)

"Me mostre o trailer de [filme]"

"Me mostre um vídeo de [qualquer coisa]" (por exemplo: "Me mostre um vídeo de como se fabricam sapatos", "me mostre um vídeo de um casamento indiano", "me mostre um vídeo de alguém abrindo uma garrafa de cerveja com o suvaco". O Google pesquisará por vídeos disso no YouTube e mostrará os resultados mais relevantes)

"Toca música" (abre o seu aplicativo de música mais usado e inicia uma playlist aleatória)

"Toca [banda ou artista]" (às vezes não funciona com bandas ou artistas com nome em inglês)

"Programação do [nome do cinema]" (mostra os filmes e os horários que estão passando naquele cinema)

"Programação de [filme]" (mostra os horários e locais onde o filme está passando)

Dicas e truques:

"Me dê ideias de presente de [feriado ou data comemorativa]"

"What does the fox say?"

"Metrônomo" (ativa um metrônomo)

"O que é/ quais são os sintomas de [doença]?"

"Quantas calorias tem [quantidade] de [comida]?"

"Do a Barrel Roll"

 

Controle do smartphone:

"Tire uma foto"

"Ative a lanterna"

"Ligue o Wi-Fi/Bluetooth/NFC/GPS"

"Aumente/diminua o brilho da tela"

"Aumente/diminua o volume"

"Desative o som"

Viagem:

"Como se diz [frase] em [língua]?" (por exemplo: "Como se diz 'eu quero ir para casa' em inglês?" ou: "Como se diz 'onde fica o banheiro?' em japonês?")

"Que horas são em [cidade]?"

"Quanto vale [valor em uma moeda] em [outra moeda]?" (por exemplo: "Quanto dá 60 euros em reais?")

"Me mostre informações sobre meu voo" (se houver informações sobre seu voo no Gmail, o Google as lerá para você)

link: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/sem-as-maos-conheca-comandos-de-voz-para-usar-com-o-google-no-celular/65967